Muito oportuno o artigo de ontem na Forbes a respeito do gerenciamento do Stress (veja aqui).

Nele o psicólogo Bill Dyment, co-autor do livro Fire Your Stress chama a atenção para o fato de que muitas vezes nós olhamos para o stress de uma perspectiva invertida, colocando-nos como vítimas das circunstâncias, quando, segundo ele, a chave da solução esta em nossas próprias mãos.

Sei disso por experiência própria. Para mim, um momento de mudança de paradigma foi quando, no início de minha carreira, já sofrendo as consequências do stress no meu corpo, consultei meu clínico geral.  Naquele seu estilo zen, ele me disse algo simples mas determinante para mudar minha forma de encarar o stress:

“Só há 2 maneiras de combater o stress: ou você sai do ambiente que o provoca ou muda sua forma de encarar e de relacionar-se com as circunstâncias deste ambiente. Porque o mundo não vai mudar, as pessoas não vão mudar, a empresa não vai mudar. Então mude você! Ou saia da empresa ou reformule sua forma de enfrentamento das situações que estão lhe causando isso” . Sábias palavras que mudaram minha vida, sem necessidade de ansiolíticos!

Bill Dyment em sua entrevista enfatiza exatamente isso. A tarefa de gerenciar o stress é nossa e não da  empresa. É de nosso interesse e de ninguém mais. E, portanto, precisamos aprender sobre ele. O que o causa, qual é o mecanismo mental que desencadeia mudanças hormonais no nosso corpo e que ao final pode produzir doenças concretas, e principalmente, precisamos aprender a utilizar as ferramentas adequadas para seu gerenciamento.